Final de ano e controle de orçamento

Olá, amigo!

Nesta reta final do ano, é muito comum nós pensarmos em presentes, compras, reuniões e promoções.

Exagero na hora das compras pode ser muito mais caro do que parece!
Hora de comprar todos os presentes! Será mesmo?

Ocorre que, se você parar pra pensar, qual é a razão de comprar e presentear as pessoas se não alimentar o comércio/indústria?

Hoje, quero escrever um post para estimular o consumo consciente. 

Por isso, o assunto é controle de orçamento quando chega o fim do ano!

Vamos ao que interessa.

 

Consumo desnecessário no fim de ano faz mal às finanças pessoais
Nesta época do ano, é comum a empolgação acabar ultrapassando a razão e o consumo prejudicar as finanças.

Sobre os presentes

Por mais que se fale que as pessoas gostam de ganhar presentes, veja, você acha que seus amigos e sua família valorizam mais aquilo que você compra ou aquilo que você é (a sua companhia)?

Assim, caso você não tenha dinheiro sobrando para presentear e agradar a todos ou algumas pessoas que estão ao seu redor, vale a pena refletir sobre todos os gastos que vem junto da euforia de final de ano (natal, black friday, amigos secretos e por ai vai).

Primeiramente, veja, você não é obrigado a dar presentes ou dar presentes em retribuição a ninguém.

Isto pode parecer uma atitude mesquinha num primeiro momento, mas você já parou pra pensar na razão pela qual se presenteia?

Pois é. Se é somente para mostrar que você “gosta” de alguém, existem diversas formas de demonstrar seu carinho e afeto por alguém sem, necessariamente, comprar algo.

Atitudes, palavras e as vezes até a dedicação necessária para fazer um presente “feito à mão” tem um valor muito mais alto do que algo que você simplesmente compra numa loja qualquer.

Ainda assim, caso você queira comprar algo, sempre faça um planejamento de modo que esta despesa não comprometa seu orçamento mensal, pois o final e o começo de ano são sempre épocas pesadas no que tocam as despesas (licenciamento de carro, IPVA, IPTU, rematrícula de escola e faculdade…).

 

Sobre comemorações, confraternizações e reuniões

Este é um tema difícil de tratar, pois quando se fala em reunir os amigos ou colegas de trabalho, normalmente tem um bar ou restaurante envolvido.

Caso a opção seja um restaurante, você pode optar entre os pratos e procurar algo que não seja extremamente caro.

No entanto, se você perceber que se trata de um local onde os preços são altos, é bom pensar se vale a pena comparecer ao evento.

Quando o assunto é bar fica muito mais fácil lidar, pois você não é obrigado a consumir nada de absurdo e pode muito bem pedir uma cerveja ou outra e curtir os amigos.

Uma sugestão que ajuda muito no corte de gastos é reunir os amigos em casa.

Vocês podem fazer um churrasco, pedir pizzas ou cozinhar algo!

Tenho certeza que não vai diminuir em nada a diversão ou estragar o clima.

 

Sobre as compras de final de ano e “promoções”

Eu até cito promoções entre aspas porque penso o seguinte: não importa o quão barato esteja um determinado produto, se eu não preciso eu com certeza vou pagar caro!

Trocando as palavras, se eu não preciso de uma determinada coisa, não há razão alguma para comprar!

O consumismo compromete o orçamento de muitos jovens.

Vejo pessoas que, ao receberem o 13º salário, correm direto para lojas para comprar roupas, celulares entre outros tipos de gastos surpérfluos.

Alguns acabam fazendo diversas compras parceladas e afundam o pé no cartão de crédito, o que é pior ainda!

Portanto, por maior que seja a empolgação, antes de adquirir algo, pare e pense se é algo que você realmente precisa.

Se você precisa, reflita se é uma coisa que precisa ser adquirida imediatamente ou se pode esperar.

Finalmente, se não puder esperar, procure saber se o preço está num patamar aceitável ou se existe algum lugar com uma oferta melhor.

 

Após decidir pela compra, sempre pesquise a loja e o produto para achar um bom preço e confiança no fornecedor!
Se você tem certeza que precisa comprar algo, pesquise bastante para achar uma boa oferta!

 

Uma observação que quero fazer é sobre a Black Friday.

É um costume tipicamente norte americano que, como muitos outros costumes, nós, brasileiros, importamos.

O problema é que (fugindo do problema comum da “Black Fraude”) as promoções nem sempre são interessantes.

Como falei, não importa se tem uma oferta de um liquidificador super potente com 80% do preço abaixo do normal.

Se eu não preciso de um liquidificador, não importa o preço que eu pague… eu vou pagar caro!

 

Reflexão antes de comprar é sempre bom: será que eu preciso disso?
É sempre bom parar e pensar duas vezes antes de comprar algo “só porque está barato”!

 

Caso você tenha alguma dívida em seu nome

Ao invés de pensar em compras, você deve priorizar o pagamento do débito, principalmente se for uma dívida de cartão de crédito (ficar devendo para a administradora do cartão de crédito) ou de cheque especial.

Isto porque os juros ao mês dessas dívidas é absurdo de alto.

Para você entender melhor, ao contrair uma dívida de R$ 1.000,00, você paga, em média 12% de juros ao mês.

Isto quer dizer que sua dívida cresce R$ 120,00 POR MÊS.

Por outro lado, os investimentos de renda fixa no geral, estão rendendo pouco mais de 0,6% ao mês, o que lhe traz retorno de R$ 6,00 POR MÊS.

Ou seja, é muito mais viável você quitar suas dívidas o quanto antes, antes mesmo de começar a investir e MAIS AINDA antes de pensar em comprar presentes ou gastar em serviços neste final de ano!

 

Conclusão

O final de ano é sempre uma época de festas e alegria.

No entanto, não deixe a empolgação fazer com que você cometa erros e comprometa sua vida financeira.

Existe sempre uma forma alternativa de participar das festas e celebrar com seus amigos e família sem, necessariamente, gastar muito dinheiro!

Finalmente, se você estiver endividado, foque seus esforços em pagar seus débitos e começar o próximo ano sem esse peso nos ombros!

Um grande abraço!

 

TL;DR: Evite gastos desnecessários e procure jeitos alternativos para não gastar muito dinheiro no final do ano.

Pague suas dívidas, porque elas crescem muito mais rápido do que seus investimentos.

Análise da minha carteira – outubro de 2017

Olá amigo,

 

Demorei um pouco para escrever sobre o mês de outubro, mas finalmente vou fazer uma análise breve.

Mais uma vez, após as sucessivas quedas dos juros, a renda fixa tem sofrido com rendimentos menores do que estava acostumado, mas isso já era esperado.

Com relação à renda variável, tenho que o rendimento baixo se deu por conta do fim do ânimo todo da Bovespa.

Assim, o mercado esfriou um pouco e isso acabou por derrubar um pouco o rendimento de muitos investidores e fundos multimercado (genericamente falando).

No entanto, já existe sinalização de recuperação do investimentos e novo fôlego, por isso que é necessário ter sempre uma visão de prazo mais longo na hora de investir e saber qual seu perfil de investidor.

A tendência é que, diante da estabilização econômica e, possivelmente, a recuperação da confiança do investidor estrangeiro no Brasil, as taxas dos investimentos fique menor a partir de dezembro.

Lembrando que essa é uma leitura situacional, nada impede que aconteça um fato relevante que mude o cenário atual.

Sobre o rendimento da carteira

Na análise do rendimento total dos meus investimentos, o resultado foi tímido.

0,65% na renda fixa, sem novo aporte e 3,36% na total, com um “grande” aporte em fundo multimercado.

 

Variação mensal dos investimentos - total e renda fixa - outubro de 2017
Variação mensal dos meus investimentos – referência: Outubro/2017

 

Se formos ver bem, tivemos uma pequena desvalorização das cotas do fundo e, ainda, dentro deste montante, estão os valores investidos em Tesouro Direto (cujo valor dos títulos teve uma série de altas no final de outubro de começo de novembro).

A alta das taxas do Tesouro fez com que os valores caíssem ainda mais, mas isto não é problema, pois, para mim, o que vale é o valor no vencimento.

Ainda assim, desde maio deste ano, a variação total da carteira foi de +28,77% e a variação da carteira de renda fixa foi de +9,23%, o que considero satisfatório.

Note que, dentro da variação, eu conto meus aportes, logo há distorção e isto não reflete o rendimento real.

 

Já a composição da carteira teve um leve aumento em fundos (pulando para 15,5%) e que causou uma diminuição do montante dos outros tipos de investimento (21,4% de tesouro direto e 63,1% de renda fixa).

 

Composição simplificada da carteira - outubro de 2017
Composição simplificada da carteira – referência: Outubro/2017

 

O que vou fazer a partir de agora é observar com mais atenção antes de investir, pois poderia ter aproveitado oportunidades melhores (principalmente durante essa semana de “black friday”).

Dentro dessas oportunidades eu me refiro à renda fixa.

Alguns CDBs e LCs que, dentro dos meus objetivos, cairiam muito bem, mas que deixei de aproveitar por ter alocado tudo em fundos multimercado.

Apesar de não me arrepender, creio que poderia ter tomado uma decisão mais acertada.

 

Sobre os anúncios

Pretendo manter, mas vou testar conforme passar o tempo, para que não fique um visual poluído ou prejudique a leitura.

O objetivo é tentar abater parte do custo da hospedagem, pois é bem difícil ganhar dinheiro com publicidade desta forma.

Finalmente, estou preparando um simulador e gráfico de juros compostos, espero conseguir fazer funcionar em breve!

 

Um grande abraço!